Meus textos,  reflexões

Uma carta para meu pai

Ei, pai! Lembra dessa foto? Foi no meu aniversário de 7 anos, a festa foi da Moranguinho e o bolo estava uma delícia. Não, não, você não ficou até a hora do parabéns. Teve de sair, pois tinha um compromisso em outra igreja, coisa do seu ministério. Daí só cantou uma música no início e foi. Não me lembro da hora que você voltou. Acho que eu já estava dormindo.


Sabe pai, depois desse dia eu passei a fazer uma oração recorrente. Eu pedia a Deus para que você pudesse ir na mesma igreja que a minha e da minha mãe, que eu aprendesse a tocar violão muito bem e a gente tocasse juntos no culto. Orei assim por muito tempo. Mas 10 anos depois dessa foto, eu perdi a esperança de ver minha oração atendida. Você decidiu seguir um caminho longe da gente. Levou embora meu sonho e o meu violão. Nunca mais eu toquei. 
 
Mas olha, tá tudo bem. Eu aprendi que nem sempre nossos pedidos são respondidos como queremos. E há coisas que, pior que sejam, acontecem para o nosso bem. Vamos combinar uma coisa? Vamos deixar o passado no lugar dele e aproveitar a única coisa que temos: o presente. Afinal, nem do futuro sabemos e a vida é um abraço. Então, vamos nos livrar dos excessos e nos apegar ao essencial.

Eu sei que a vida não tem sido fácil para você. Sei que a dor parece não ter fim. Sei que a dor da alma é maior que a dor do corpo. Mas eu aprendi que a dor é sinal de crescimento. E quero que saiba que você não está sozinho. Uma hora tudo isso vai passar, você vai ver.  Esse cenário frio e dolorido vai mudar. Acredite, as coisas mudam sim! Quando você menos esperar, vai voltar a fazer o que mais gosta. Estará cantando de novo, tocando seu violão… e até me desafiando a adivinhar qual é a música só com algumas notas, igual a gente fazia quando eu era criança, lembra? Enquanto isso a gente pode fazer outra coisa divertida. Já sei! Eu posso te desafiar a adivinhar a música (parece que o jogo virou não é mesmo?). É, vai ser bem fácil, já que eu sei um acorde mesmo… hahaha

Fica bem, paizinho. A gente ainda vai rir muito disso tudo. Só te peço uma coisa: não desiste, tá? Eu não desisti! 

 

 
obs: para quem não sabe, meu pai está fazendo tratamento contra um câncer no esôfago 😞 fiz essa “carta” como um lembrete a mim mesma que isso é só uma fase e vai passar. Desejo a todos que também lutam contra essa doença que tenham força e fé. E aos que sofrem ao ver alguém próximo sofrendo, que também tenham o consolo de Deus. Ele não perde o controle!

 

Beijos! Fiquem com Deus e até mais!

Siga minhas redes pra gente ficar mais pertinho!

 

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.